31 de mai de 2012

Semana Municipal de Conscientização e Orientação sobre Saúde Mental








No dia 18 de maio, a turmade Serviço Social que realiza estágio no CAPS III, participou da Semana Municipal de Conscientização e Orientação sobre Saúde Mental. O evento aconteceu na Praça Nereu Ramos.

Brinquedoteca





Curso: Pedagogia
Turma: PED 0415
Professora Lidiane Soares


OBJETIVOS DA BRINQUEDOTECA:

A brinquedoteca  na UNIASSELVI tem por objetivo permitir ao acadêmico pensar, discutir, analisar e investigar o valor do brinquedo e das brincadeiras no desenvolvimento da criança, sendo um espaço para ampliar o processo de aprendizagem e desenvolver pesquisas que apontem a relevância dos jogos, brinquedos e brincadeiras no processo educativo.

Momentos acadêmicos - Pedagogia


Os/as acadêmicos/as da turma PED 0417, deram início no dia 18/05 à socialização das práticas referentes ao semestre. Duas equipes apresentaram seus trabalhos com os temas "Parâmetros Curriculares Nacionais - Ensino Fundamental" e "Inclusão do Aluno com Deficiência Física"

Na mesma noite, a turma realizou sua primeira visita à  Brinquedoteca recentemente inaugurada no pólo e elaborou o Roteiro de Atividades para a disciplina Educação Inclusiva.
Curso: Pedagogia
Professora; Aline Ayres

28 de mai de 2012

Como estudar? (Parte 1)



Durante o ano escolar é preciso se organizar nos estudos para que a aprendizagem aconteça. Neste sentido é preciso saber exatamente o que fazer, ou seja, como estudar. Neste e em próximos textos trazemos orientações que servem para os alunos e que podem ajudar pais e professores. Esperamos que possam contribuir bastante para um bom rendimento em aulas, avaliações, tarefas e trabalhos. Acreditamos que com estas orientações os compromissos escolares sejam realizados de forma mais organizada, com resultados finais mais satisfatórios e, ainda, para que tudo seja feio nos prazos e da melhor forma possível. Esperamos que este material seja útil e que possa render muitos benefícios para seus usuários. Seguem abaixo as primeiras recomendações:

a) ORGANIZE SEUS MATERIAIS - Na véspera das aulas organize sua mochila com os materiais necessários para as atividades do dia seguinte antes de ir dormir. Livros, cadernos, estojos, réguas e materiais extras requisitados devem ser arrumados de forma antecipada para evitar peso extra na mochila e impossibilidade de participação em alguma atividade por falta de materiais.

b) MANTENHA SUA AGENDA ATUALIZADA - Anote numa agenda ou mantenha informes de compromissos escolares em uma parte específica de seu caderno para não perder prazos de entrega de tarefas, trabalhos ou participação em aulas extras, reuniões... Estas anotações devem ser compartilhadas com os pais ou responsáveis (no caso de alunos mais novos ou com maior dificuldade de organização) para que também eles saibam de seus compromissos e de sua organização.

c) FAÇA PERGUNTAS - Não entendeu? Não tenha vergonha de levantar à mão e perguntar. Pergunte na hora, peça para o professor explicar novamente. Peça exemplos que facilitem a compreensão ou então que os exercícios que geraram dúvidas sejam refeitos. Só depois que tiver certeza que entendeu é que você estará bem preparado para tarefas, exercícios em sala de aula ou provas.

d) FAÇA ANOTAÇÕES DETALHADAS - Durante as aulas faça as anotações sugeridas pelos professores e também se sinta a vontade para colocar ao lado anotações e observações adicionais nas quais sua compreensão do que está sendo explicado faça parte de seus registros.

e) ELIMINE DISTRAÇÕES - Na hora em que for estudar mantenha o foco apenas nos estudos e elimine as distrações. Não estude com música, TV ligada, telefones, computador ou qualquer outro recurso por perto que possa tirar sua atenção. No horário em que definir como período de resolução de tarefas e trabalhos ou ainda de estudo diário das matérias trabalhadas na escola faça-o em lugar tranquilo, sem movimento ou passagem de pessoas. Peça aos demais membros da família para não interromperem seus estudos.

f) TROQUE IDEIAS COM COLEGAS SOBRE OS ASSUNTOS ESTUDADOS - Seus colegas de classe elaboram também sua compreensão dos conteúdos e conceitos trabalhados em aula e, cada um faz isso de uma forma diferente, mesmo que os temas sejam iguais. Ao trocar ideias com eles o seu entendimento da matéria trabalhada pode então ser enriquecido ou facilitado.


Fonte: http://cmais.com.br/educacao/como-estudar-parte-1

Joinville recebe novamente o Circuito Caixa de Maratoninha, dia 03 de junho na Expoville

Quando?

03 de junho de 2012, às 9h00

Onde?

Expoville

Ingressos

Inscrições: de 28 de maio a 1º de junho, das 9h30 às 16h30, na Rua do Príncipe, 507, 1º andar – sala 1 – Ed. Richelin

Taxa de inscrição: R$ 5,00
O maior evento de corrida infantil do País – que tem como patrocinadora oficial a Caixa Econômica Federal –, o Circuito Caixa de Maratoninha, está de volta a Joinville. Já passamos por Cuiabá, Campo Grande, Uberlândia, Belo Horizonte, Vitória, Paulínia, São José do Rio Preto e Londrina (dia 27 de maio), e em seguida iremos para Florianópolis, Curitiba, São Luís, Teresina, Fortaleza, João Pessoa, Natal, Maceió, Aracaju, Brasília, Goiânia e Palmas.

Histórico
A ideia da Maratoninha surgiu muito timidamente em 1997. Na realização do I Meeting Internacional de Ciclismo, em Brasília, sentiu-se a necessidade de criar uma atividade infanto-juvenil. A pedido de alguns pais, 50 crianças disputaram uma corrida de bicicleta. O sucesso foi grande, mas contemplava um universo limitado de competidores: o ciclismo é um esporte relativamente caro.
A Maratoninha foi idealizada por Jamil Elias Suaiden, proprietário da FJ Produções, organizadora do evento. Ex-ciclista profissional e representante do Brasil nas Olimpíadas de Atlanta (1996), Jamil inaugurou a Maratoninha em outubro de 2002, em comemoração ao Dia das Crianças, em Brasília. Mais de 800 crianças de vários projetos sociais da cidade participaram. No ano seguinte, eram 1500 crianças de 6 a 12 anos de idade.
Em 2004, com o projeto para a criação do Circuito Maratoninha, o campeonato já alcançava cinco cidades brasileiras. A partir daí, o número de cidades que abraçou a ideia não parou de crescer. Em 2008, a Maratoninha esteve presente em 18 cidades brasileiras. Hoje são 21 etapas em todo o Brasil.
Organização
Um dos fatores que garante o sucesso cada vez maior do Circuito é a estrutura montada para receber os atletas e o público. Com uma arquibancada coberta com capacidade para 5 mil pessoas, 2 mil metros de alambrados, 18 tendas padronizadas, 50 metros de tapete emborrachado, a Maratoninha surge como um pequeno estádio.
Outro fator de sucesso é a didática aplicada. No dia da competição, orientados por professores e coordenadores, os atletas aquecem o corpo. Quando é dada a largada, grupos de no máximo 45 atletas, separados por idade, correm 300 metros. Alguns cruzam a linha de chegada apenas caminhando. Mas não importa: todos ganham uma medalha, sem exceção. Os vencedores de cada bateria, além da alegria de subir num pódio, ainda levam uma bicicleta para casa. E para repor o desgaste físico da competição, um lanche reforçado é oferecido a todos os atletas.

Fonte: http://nossajoinville.com.br

F
 

Lançamento do Livro: Essas Crianças com Super Poderes






No dia 04 de maio, na Câmara Municipal de Joinville aconteceu o lançamento do livro Essas Crianças com Super Poderes, do escritor e poeta: Marinaldo Silva e Silva,  acadêmico de Pedagogia na AUPEX.

Destaques:
O professor tutor da turma PED 0102, Marcos Edgar Hasper é um dos personagens do livro: Marquinhos - Possui o Poder da Educação.
As alunas da PED levaram seus filhos que presenciaram as apresentações culturais.

26 de mai de 2012

Mitos sobre a educação a distância


fonte: http://1.bp.blogspot.com/-3oofQ63NPkA/T1Od5itSelI/AAAAAAAAAYk/ntZeqlhKy-M/s1600/EAD.jpg

A Wikipedia traz o seguinte conceito sobre Educação a Distância (EaD): “Educação a Distância EaD é a modalidade de educação mediada por tecnologias que permitem que o aprendiz e seus mestres estejam separados espacial e/ou temporalmente, ou seja, não estejam fisicamente presentes em um ambiente formal de ensino-aprendizagem.”
A EaD não é novidade no Brasil e, muito menos, na Europa. Desde a década de 50, o Instituto Universal Brasileiro já oferecia cursos básicos que formavam muitas pessoas em eletricidade, mecânica de motos, corte e costura etc., etc. Vi meu pai recebendo várias peças de rádio para fazer um curso de rádio amador. A tecnologia usada, na época, eram apostilas e vinham pelos correios, junto com as peças. Imagine a dificuldade para as pessoas fazerem um curso a distância, naquelas condições.Hoje, as tecnologias da comunicação avançaram e facilitaram a mediação dos materiais necessários para um curso EaD e para a comunicação dos cursistas com os tutores ou mestres. Talvez, seja pela grande facilidade de se fazer um curso a distância hoje é que umas pessoas colocaram na cabeça uns mitos de que se trata de uma forma leve, fácil, rápida e superficial de se conseguir um diploma. Ao contrário!As estatísticas mostram que poucos inscritos nessa modalidade de estudos conseguem concluir seu curso. Trata-se de uma modalidade muito mais exigente do que a presencial, pois “a EaD enfatiza o papel do aluno, que gerencia seu próprio aprendizado, deste modo desenvolvendo sua autonomia.” (Wikipedia). Observe, leitor, que a EaD enfatiza a aprendizagem ativa e não o ensino passivo, empurrado ‘goela abaixo’. Gerenciar o próprio estudo exige do cursista algumas habilidades tais como: rigorosa disciplina pessoal para estudos; capacidade de administração do tempo; capacidade para aprender sozinho ou para partilhar o processo de aprendizagem com os colegas. Essa prática tem sido chamada de aprendizagem colaborativa. Além disso, o cursista tem de exercitar a escrita, prática muito rara na escola convencional onde os professores falam o tempo todo e, tanto eles quanto os alunos, não exercitam a escrita. Meu conceito de escrita aqui é a atividade de reconstrução de ideias com autonomia intelectual e não cópia de ideias prontas de livros. Isso os professores fazem na escola convencional. Muitos passam, acriticamente, vários conteúdos na lousa, copiados passivamente pelos alunos, que conversam entre si, copiando palavras e frases de forma errada, sem jamais perceber as barbaridades que cometem. Essas poucas considerações que apresento já são suficientes para derrubar por terra os mitos de que a educação a distância como algo leve, fácil e rápida.A maior parte das pessoas está despreparada para a maturidade intelectual e humana que a EaD está exigindo. Ainda estamos engatinhando na construção da cultura da aprendizagem autônoma. Alunos dependentes e inseguros não conseguem dar conta do rigor exigido pela EaD. A maioria das pessoas vai para um curso a distância, levando para essa modalidade as mazelas e atitudes dos cursos presenciais, onde, quase sempre, os alunos exigem que o professor faça para eles e no lugar deles; onde a ênfase está no ensino e não na aprendizagem. Enquanto os cursistas não compreenderem que essa modalidade exige atitudes pessoais rigorosas, e que ela é marcada por uma estrutura diferente da tradicional, vai ser difícil derrubar esses mitos.


José Antônio dos Santos


Fonte: http://www.jornalcorreiodacidade.com.br

24 de mai de 2012

Momentos acadêmicos - História

No dia 28 de abril de 2012, a turma HID 0176 iniciou a disciplina de Pré História com a socialização de prática realizada e apresentada pelo grupo composto pelos alunos Carlos de Aviz, Francisco, Izaqueu, Jean Carlo e Sirlano.










Na referida ocasião o grupo teve a oportunidade de apresentar aos colegas de turma algumas características do período pré-histórico do Brasil, tais como o clima, a vegetação, a megafauna e os primeiros habitantes do território brasileiro que ao contrário do que se pensa tinham traços negróides e não indígenas.

Prof Karyne - Turma de História - HID0176

19 de mai de 2012

A evolução do pensamento pedagógico

Material preparado pela revista Nova Escola  e disponível em PDF para baixar. Clique sobre a imagem para salvar.


Dia do Pedagogo

Parabéns a todos os pedagogos!




"Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.""

Paulo Freire




18 de mai de 2012

12ª Bandoneon fest é neste final de semana


Foto Mauro Artur Schlieck - SECOM

Uma programação cultural diversificada que vai do teatro ao tango, com almoço típico alemão, muita música e bandoneon, estes são alguns elementos da 12ª Bandoneon Fest, realizada neste final de semana.
No sábado (19/5), a partir das 15h, na Sociedade Cultural Alemã, localizada na Casa da Memória, ocorre o 2º Workshop do Bandoneon sob o tema “Bandoneon – o que o futuro nos reserva?”, ministrado pelo músico Mano Monteiro, do Rio Grande do Sul. O evento é aberto ao público e a entrada é gratuita.
Já no domingo (20/5), a programação começa às 8h30 na Sociedade Rio da Prata, em Pirabeiraba, com o cerimonial de abertura e a apresentação da dupla Sandro e Wilson. Em seguida, sobe ao palco a banda do 62º Batalhão de Infantaria e a peça teatral Bubi e Jacob. A festa também terá um palco alternativo com baile a partir das 10h30. Ao meio dia, será servido almoço típico alemão e churrasco.
O evento fecha com uma tarde dançante e a apresentação dos grupos: 18 de maio, Sandro e Wilson, Musical Irmãos Fiebes, Banda Bandonera, Zwei Lustigue Musikanten e o Trio Musical Edelweiss. Quem passar pela festa também poderá conferir a Feira de Artesanato e produtos coloniais, além de show de tango com os bailarinos argentinos Pablo e Sonya.
A 12ª Bandoneon Fest é patrocinada pela Prefeitura de Joinville, Fundação Cultural e Simdec, com apoio da Fundação Turística de Joinville.

Fonte: http://nossajoinville.com.br/

'Ensino a distância é parceiro da educação'

Após o lançamento de plataforma de ensino online, o responsável pela área acadêmica de Harvard diz que nenhuma instituição pode ficar de fora da web

Nathalia Goulart

Alan Garber, responsável pela área acadêmica de Harvard, sobre o edX: "É um projeto ambicioso." (Divulgação / Harvard)

A internet costumava terreno de experimentações para as grandes universidades. Agora, ela é a peça central para o futuro de prestigiadas instituições. Na semana passada, a Universidade Harvard e Massachusetts Institute of Technology (MIT) anunciaram o edX, uma plataforma online de educação a distância que vai disponibilizar cursos e conteúdos na web a custo zero. “Nenhuma grande universidade hoje se furta a explorar as potencialidades da internet”, diz Alan Garber, responsável pela área acadêmica de Harvard e pela parceria com o MIT. “Estar ausente nessa seara não é mais uma opção. A pergunta que as instituições se fazem agora é quando e como abraçar a internet.” Este é não é o primeiro investimento de Harvard em educação online mas certamente é o mais ambicioso. Com a nova ferramenta, a universidade pretende conhecer melhor o processo de aprendizado dos estudantes e aplicar as descobertas em esforços para melhor a qualidade de suas aulas. "Com a chegada da internet existe uma revolução", diz Garber. Para os que temem que a os avanços da internet minem as relações interpessoais proporcionadas pela convivência diária no campus, o acadêmico respode: o ensino a distância é um aliado da educação. Confira a entrevista que Alan Garber concedeu ao site de VEJA:

Quando começaram as discussões para a criação do edX? Há bastante tempo discutíamos em Harvard o tema da educação à distância. A parceria com o MIT em especial surgiu há cerca de cinco meses. Percebemos naquele momento que as duas instituições tinham muito em comum e as coisas acabaram acontecendo muito rápido.

O que motivou essa parceria? Queremos oferecer educação de qualidade para todo o mundo, melhorar o aprendizado em nosso próprio campus e realizar pesquisas aprofundadas a respeito de como as pessoas aprendem para, posteriormente, utilizarmos esses dados para aperfeiçoar a maneira como ensinamos. O edX foi criado para satisfazer esses nossos três objetivos.

A que o senhor se refere quando diz que pretende conhecer com profundidade a maneira como as pessoas aprendem? Tradicionalmente quando pensamos em medir como as pessoas aprendem, pensamos em testes padronizados que aferem o conhecimento e a partir daí são analisadas possibilidades que podem melhorar o aprendizado. Com a chegada da internet existe uma revolução. Agora sabemos com precisão o tempo que cada estudante gasta resolvendo um exercício ou quantas vezes ele precisa assistir a um vídeo até que apreenda todo o conteúdo. Sabemos onde ele clica, quando ele pausa, acelera ou simplesmente desiste de resolver algum problema. Isso tudo nos dá a dimensão exata da evolução de cada um dos estudantes e de seu processo de aprendizagem. Ainda está em discussão que tipo de dados vamos coletar e como eles serão utilizados. De qualquer forma, trata-se de um projeto bastante ambicioso.

O edX é a primeira incursão de Harvard no ensino online? Não. Já temos em funcionamento a Harvard Extension School, que oferece vídeos, cursos e certificados profissionais. Mas com o edX é a primeira vez que trabalhamos em parceria com outra instituição nessa campo.

Diante dos avanços da tecnologia, uma grande universidade pode se furtar a fazer usos de ferramentas online hoje em dia? Não. Estar ausente nessa seara não é mais uma opção. Esse é um ponto pacífico pelo menos aqui nos Estados Unidos. As universidades não se perguntam mais se vão ou não vão fazer uso de plataformas online. A pergunta que elas se fazem agora é quando e como abraçar a internet. Elas estão convencidas de que essa ferramenta vai ajudá-las em sua missão. Algumas já fizeram investimentos milionários nessa área há alguns anos e outras estão esperando. Nós, Harvard e MIT, acreditamos que o momento certo é agora.

Harvard é uma das mais prestigiadas e rigorosas universidade do mundo. Os padrões de qualidade serão os mesmo na internet que no campus da instituição? Tenho a certeza de que nosso padrão será o mesmo, mas as formas de avaliar o sucesso dos alunos e da metodologia empregada serão diferentes pelo simples fato de que os cursos serão diferentes. O conteúdo disponível na internet não é o mesmo que estará na sala de aula.

Existe um público específico que atende aos cursos online ou eles são feitos para todo mundo? Essa é uma questão a ser respondida com o tempo. Ainda não é possível dizer com precisão que tipo de aluno aprende melhor na internet. O que sabemos até o momento devido às nossas experiências anteriores é que esse tipo de ensino atinge um número grande de pessoas uma vez que é possível ter flexibilidade e as barreiras geográficas são minimizadas na web. Mas também é verdade que algumas pessoas se adequam melhor ao sistema online que outras. Com o passar do tempo, saberemos mais sobre isso e como identificar cada um dos grupos.

É possível ensinar disciplinas mais densas e complexas como filosofia na internet? Esse também é um tema que vamos descobrir ao longo da experiência. Vamos oferecer cursos de ciências humanas também e analisar como eles funcionam na prática. Eu tendo a acreditar que é possível sim, mas é necessária uma abordagem diferente da de um curso de negócios ou de computação.

Algumas pessoas se perguntam se os cursos online vão matar o contato pessoal, tão importante durante a formação dos universitários. Qual a reposta do senhor a esse temor? Não vejo que em um futuro próximo os cursos online vão acabar com o relacionamento interpessoal. Ao contrário: acredito que eles estarão caminhando juntos, em prol da educação. Com a internet, por exemplo, podemos repensar a maneira como usamos o tempo dentro da sala de aula. Isso dá liberdade para que professores e alunos experimentem novas formas de aprender. Isso porque os mestres esperam que os estudantes tenham contato com a matéria em casa e vão às aulas para discutir ou levantar questionamentos mais profundos e não para ter uma aula expositiva, como ainda acontece na maioria dos casos. Além disso, existem milhares de pessoas ao redor do mundo que gostariam de estar em Harvard mas, por diversos motivos, não podem chegar até nós. Uma plataforma online é a chance de ter ensino de excelência em qualquer canto do planeta.


Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/educacao/ensino-a-distancia-e-parceiro-da-educacao

16 de mai de 2012

Participe e concorra a um smartphone!


Venha saber + de Deus!



Últimas vagas!


Pós-graduação Presencial iniciando dia 12/06

- MBA em Segurança Pública e Cidadania


- MBA em Gestão Bancária e Financeira


- Educação infantil, Anos iniciais e Gestão Escolar


Informações: 3025-5077

Momentos acadêmicos - Biblioteca




A Biblioteca da AUPEX possui computadores com acesso à internet, além do variado acervo de livros para atender os acadêmicos.



Momentos acadêmicos - área comum



A área comum da AUPEX possui acesso à internet via WIFI e também é utlizada pelos acadêmicos para estudos e elaboração de trabalhos.

AUPEX tem intérprete de libras


Profa Giselly Renatty Vieira, intérprete de Libras, em acompanhamento a aluno na biblioteca.

 

Articuladores da AUPEX participarão de capacitação



Os articuladores pedagógicos Dienes da Cunha e Tânia Maria Alves participarão do V Encontro Nacional de Articuladores promovido pelo Núcleo de Educação a Distância - NEAD/UNIASSELVI. 
A capacitação acontecerá na unidade da UNIASSELVI de Indaial, no período de 16 a 19 de maio.


Conversando sobre EAD e as pesquisas escolares na internet





1- Em sua opinião, quais as principais vantagens  da  Educação à Distância (EAD)?
Quando pensamos em EAD, hoje, pensamos em educação online. Através da internet temos acesso aos mais variadas tipos de cursos, desde cursos livres a especializações em praticamente todas as áreas. A oferta de cursos na modalidade EAD tem crescido notavelmente. O programa Universidade Aberta, do Governo federal, “busca ampliar e interiorizar a oferta de cursos e programas de educação superior, por meio da educação a distância. A prioridade é oferecer formação inicial a professores em efetivo exercício na educação básica pública, porém ainda sem graduação, além de formação continuada àqueles já graduados” (portal.mec.gov.br). Para muitos professores esta é uma oportunidade única, em virtude de dificuldades tanto financeiras como de falta de oferta de cursos presenciais em suas cidades. Nesta modalidade de estudo o aluno organiza seu tempo e pode realizar os estudos em casa, no trabalho ou onde tiver acesso à internet, economizando tempo e dinheiro. Além disso, as aulas online beneficiam pessoas com mobilidade limitada, como cadeirantes, por exemplo. A maioria das aulas são assíncronas. Os materiais e tarefas podem ser baixados e enviados ao professor através do ambiente EAD até a data marcada. Deste modo, o cursista não precisa ficar conectado à internet durante todo o tempo de estudo.
Outra vantagem que considero importante é que o aluno desenvolve a autonomia ao mesmo tempo que tem a oportunidade de participar de uma comunidade de aprendizagem em rede. Ele interage com pessoas de outras localidades, outras realidades, onde todos constroem novos conhecimentos através da contribuição de cada um.
A EAD também promove a inclusão digital. Os alunos aprendem a utilizar ferramentas de comunicação assíncronas como os fóruns e e-mail e síncronas como chats, comunicadores instantâneos e videoconferências. Nesta modalidade a relação professor-aluno também se modifica podendo até mesmo se tornar mais próxima já que a principal função do professor não é a de ensinar, mas a de ajudar o aluno a aprender. (...)

2 – Ano passado você ministrou o curso “Pesquisa na internet – o papel do professor” do portal Educarede. Como, em sua opinião, a pesquisa na internet deve ser utilizada na sala de aula? Qual o papel da pesquisa no desenvolvimento dos alunos?
As crianças são naturalmente pesquisadoras. Desde muito cedo, começam a nos questionar o por quê das coisas, como elas funcionam, de onde vem, como são feitas e por aí afora. Na Educação Infantil, os professores costumam estimular este espírito investigativo através de várias atividades e projetos didáticos em que acompanham e orientam os pequenos em suas descobertas.
Já no Ensino Fundamental, muitas vezes, essa prática se perde. As pesquisas passam a ser solicitadas como tarefas de casa, e aí sabemos o que acontece: sem orientação, os alunos simplesmente copiam da internet da mesma forma como, antes, copiávamos das enciclopédias. E quando se trata de alunos das séries iniciais, quem acaba fazendo o trabalho de pesquisa é o pai ou a mãe. Qual o objetivo desse tipo de trabalho? O que se espera que o aluno aprenda com este tipo de prática? Para que os alunos aprendam a pesquisar na internet assim como em livros, jornais, revistas que também devem ser usados, é preciso que a atividade seja desenvolvida em sala de aula, com o acompanhamento do professor. Antes de qualquer coisa, o professor precisa planejar a pesquisa, verificar as fontes e elaborar um roteiro com questões sobre o assunto. Dependendo do nível da turma é aconselhável que também indique os sites. Na internet é muito fácil perder o foco do trabalho, por isso, um roteiro bem elaborado ajuda muito.
Muitas vezes, os professores acham que os adolescentes não precisam deste tipo de acompanhamento porque são usuários da internet. Mas não é bem assim. Quando de trata de pesquisa é preciso que aprendam a tirar o melhor proveito dos mecanismos de busca, que observem a confiabilidade das fontes, que entendam que nem tudo o que está na internet é verdadeiro, que aprendam a citar as fontes de pesquisa na internet e que respeitem os direitos autorais.
As atividades de pesquisa, quando bem planejadas e orientadas, desenvolvem o pensamento crítico, a resolução de problemas e a tomada de decisões. Os alunos aprendem a encontrar as informações e selecionar o que é relevante e descartar o que irá afastá-los do objetivo do trabalho. É preciso que eles aprendam a usar a internet para analisar as informações e não apenas localizá-las.
Também é importante que os alunos tenham claro o que se espera deles e como será socializado o resultado da pesquisa. As informações podem ser remixadas, transformadas, ampliadas e apresentadas das mais diferentes formas. Apresentações teatrais sobre um fato histórico, por exemplo, exigirão que os alunos compreendam o conteúdo para poder transformá-lo em uma representação cênica..Ao acompanhar o desenvolvimento do trabalho de pesquisa, o professor tem a oportunidade de observar as dificuldades dos alunos e orientá-los durante o processo em vez de apenas avaliar o produto final.
Gládis Leal é Especialista em Língua Portuguesa e Mídias na Educação, ministra cursos e oficinas de formação continuada docente sobre o uso das TIC na Educação.

Canais de Comunicação:

15 de mai de 2012

Joinville recebe mostra de filmes do Brasil e Mercosul



Cena do curta de animação "Propriedades de uma Poltrona", de Rodrigo John

Gabriel Nunes
14/05/2012


Um aperitivo do que vai acontecer no FAM 2012 -– 16º Florianópolis Audiovisual Mercosul, estará em cartaz na semana que vêm no Teatro Juarez Machado. A mostra itinerante Pré-FAM vai percorrer 12 cidades catarinenses com a exibição de longas e curtas premiados na edição de 2011. Em Joinville, as sessões ocorrem nos dias 15, 16 e 17 de maio, às 19 horas, com entrada gratuita.
A mostra, que vai exibir 18 filmes, sendo 15 curtas e três longas, tem o objetivo de descentralizar e democratizar o acesso da população a bens culturais, oferecendo uma programação de cinema gratuito. Entre as produções que estarão em cartaz, destaques para O plantador de quiabos, do Coletivo Santa Madeira, considerado o melhor filme pelo júri oficial e popular da Mostra de Curtas Mercosul; Mais ou Menos, de Alexander Siqueira, melhor filme pelo júri oficial e popular da Mostra Catarinense; Procura-se, de Iberê Carvalho, melhor filme eleito pelo júri e popular da Mostra Infantojuvenil, Confesiones, de Gualberto Ferrari, melhor filme pelo júri oficial da Mostra DOC-FAM e Carne, osso, de Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros, melhor filme eleito pelo júri popular da Mostra DOC-FAM.
Além de Joinville, a mostra do Pré-Fam vai passar por Araranguá, Blumenau, Chapecó, Criciúma, Florianópolis, Imbituba, Itaiópolis, Jaraguá do Sul, Lages e São Francisco do Sul. O FAM 2012 será realizado nos dias 15 a 22 de junho em Florianópolis, no Centro de Cultura e Eventos da UFSC. O evento vai reunir profissionais da área de cinema e audiovisual do Brasil e do Mercosul.
O Pré-FAM, assim como o FAM, é uma realização da Associação Cultural Panvision, entidade sem fins lucrativos voltada a articulação, curadoria e produção de mostras de cinema e vídeo. Em Joinville, o evento tem o apoio da Galeria Municipal de Arte Victor Kursancew, Fundação Cultural de Joinville e Prefeitura. Mais informações acesse www.famdetodos.com.br.
Programação
Dia 15 – terça-feira – 19h
Curtas: A Noite por Testemunha -– Bruno Torres
Profana Via Sacra -– Alisson Sbrana
Tchau e Bênção -– Daniel Bandeira
Rosa –- Monica Lairana
Astheros -– Ronaldo dos Anjos
Classificação indicativa: 16 anos
Longa: Carne, Osso – Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros
Classificação indicativa: 10 anos
Dia 16 – quarta-feira – 19h
Curtas: Procura-se –- Iberê Carvalho
O Plantador de Quiabos -– Coletivo Santa Madeira
Calle Última -– Marcelo Martinessi
Tempestade -– Cesar Cabral
Muranã –- Sebastian Palacio
Classificação indicativa: 12 anos
Longa: Confesiones – Gualberto Ferrari
Classificação indicativa: Livre
Dia 17 – quinta-feira – 19h
Curtas: Regresso -– Jano Burmester
Bernô –- Pedro Gorski
Propriedades de uma Poltrona -– Rodrigo John
Mais ou Menos -– Alexander Antunes Siqueira
Arbol -– Lucas Adrian Schiaroli
Classificação indicativa: 14 anos
Longa: Perdão, Mister Fiel – Jorge Oliveira e Pedro Zoca
Classificação indicativa: 16 anos

Momentos acadêmicos



Curso: Pedagogia
Turma:  PED0340
Professora: Lidiane Soares


Vagas de estágio

Vaga de estágio para graduado em Pedagogia. Clique aqui e confira

Estágio Logística – Cursando a partir do 3° semestre,necessário informática (Excel),bolsa auxilio + benefícios (gratuitos).Irá acompanhar e programar a produção,emitir relatórios e demais tarefas administrativas.

Interessados deverão encaminhar currículo para recrutamento1@acertarh.com.br ou comparecer pessoalmente em nossa agencia localizada na rua Alexandre Dohler,310,Centro (fundos do Banco do Brasil).

Visita técnica à Cervejaria Opa Bier



No dia 18 de abril, a turma de Processos Gerenciais EMD 0199 fez uma visita técnica à Cervejaria Opa Bier com o professor Roberto Machado Gonçalves, das 19:30h às 21:30h.
Na ocasião, o professor e os acadêmicos foram recepcionados pelo sr. Marcos, técnico cervejeiro da empresa, que direcionou a turma para um local específico dentro da fábrica, com intuito de contar um pouco da história da cerveja e da história da Opa Bier.
Em seguida, a turma foi direcionada ao departamento de produção para iniciar a vista propriamente dita. Durante cada etapa do processo de fabricação da cerveja, o sr. Marcos explanou com muita propriedade cada detalhe do referido processo tirando as dúvidas dos acadêmicos.
O grupo pode também degustar o chopp fabricado pela Opa Bier nos diversos estágios da fabricação.

Objetivos:
- Conhecer os métodos de gestão utilizados pela empresa e comparar com os conhecimentos adquiridos no caderno de estudos.
- Conhecer o processo produtivo da empresa no que diz respeito a fabricação de chopp e cervejas.

1- Curso: PROCESSOS GERENCIAIS
2- Turma: EMD 0199
3- Disciplinas envolvidas: TÉCNICA DE GESTÃO E PRÁTICA EDUCATIVA DO MÓDULO I
5- Professor tutor responsável: ROBERTO MACHADO GONÇALVES

Entrega da bolsa de Pós-Graduação



A Dra. Carin Hoegen fez a entrega do certificado referente ao sorteio de uma bolsa de Pós-Graduação à ganhadora Sabrina Pereira. A promoção foi realizada através  de nossa página no Facebook http://www.facebook.com/aupexjoinville

Parabéns, Sabrina! Seja bem-vinda à AUPEX!


10 de mai de 2012

Dicas para você se sentir satisfeito no seu trabalho

Enxergar o trabalho como uma obrigação faz com que as coisas fiquem mais difíceis. Conheça os 7 comportamentos fundamentais para se sentir satisfeito com o seu trabalho


imagen-relacionada
Crédito: Shutterstock.com
















O fato de o trabalho ser uma obrigação não significa que ele tenha que ser um sacrifício. No entanto, muitas vezes nos sentimos presos a uma obrigação que não nos faz feliz. Isso pode acontecer pelos mais diversos motivos e é nessa hora que a insatisfação pesa e nos faz sentir vontade de jogar tudo para o alto.


Mas para transformar o trabalho em uma situação confortável não é necessário desistir de tudo. Use a velha técnica de mudar o que não te agrada. Observe tudo que te deixa infeliz no seu emprego e trabalhe em técnicas que possibilitem a mudança.

Confira 7 dicas para manter a satisfação no trabalho: 


 1. Mude de atitude O primeiro passo é aceitar e entender que a principal chave para se sentir satisfeito com aquilo que faz está na sua atitude e nas suas expectativas. Se você se sente frustrado, cansado e deprimido dificilmente conseguirá alcançar alguma satisfação. Então se pergunte o que você considera necessário para se sentir satisfeito e identifique de que maneira você pode conseguir isso.


 2. Aumente seus desafios Ninguém gosta de estar estagnado em uma mesma situação e sem nenhum tipo de desafio à vista. Se no seu trabalho você não encontra tarefas desafiadoras, proponha metas diárias para si mesmo ou até mesmo para os seus companheiros de trabalho.


 3. Cultive boas relações Tudo se torna muito mais agradável se você tem com quem compartilhar suas tarefas e mesmo a sua rotina. Por isso é extremamente importante cultivar boas relações, para que você tenha com quem contar quando acreditar que as coisas estão ficando insuportáveis.


 4. Saia da rotina Permanecer sempre em uma rotina pode ser muito desmotivador. É claro que você não pode simplesmente chegar para o seu chefe e dizer que não vai mais realizar as tarefas que ele demanda porque está se sentindo entediado. Mas você pode usar técnicas como mudar a ordem na qual você realiza suas tarefas, ou mesmo o dia em que elas devem ser feitas.


 5. Dedique-se A tarefa que você precisa realizar pode ser a mais chata do mundo, mas ela ficará ainda mais entediante se você não se dedicar a ela. Procure fazer o melhor que você pode sobre aquilo, tarefas completadas rapidamente e com qualidade tentem a gerar muita satisfação.


 6. Procure satisfação em outras áreas da sua vida Para estar satisfeito no trabalho você também precisa estar satisfeito em outras áreas da sua vida. Dedique-se a fazer com que o tempo que você passa fora do escritório seja do jeito que você imagina. Procure atividades prazerosas para você. 7. Conheça bem suas opções É muito fácil se sentir estagnado quando você não tem nem ideia do que pretende para o seu futuroprofissional. Analise todas as opções disponíveis e identifique aquelas que mais te interessam. Faça pesquisas, conheça todos os detalhes daquilo que você quer e assim você se sentirá motivado para alcançar aquele objetivo.

SMS na Educação


Já pensou no SMS como uma alternativa móvel capaz de aproximar os pais das instituições de ensino, economizar tempo de professores e ainda reduzir custo de instituições, que passam constantemente por restrições orçamentais? Tudo isso e ainda acabar com a perda de tempo dos alunos, que vasculham papéis perdidos no fundo de mochilas, em busca do mais recente bilhete da escola ou para confirmar quando ocorrerá a reunião de pais e mestres que foi agendada? Pois, sim, tudo isso é possível. 

Inusitados são os usos do SMS e seus benefícios encontrados ao redor do mundo. Você sabia, por exemplo, que nos Estados Unidos os pais recebem um SMS de alerta quando o sinal de emergência na escola de seus filhos é acionado? Isso só ocorreu depois de as escolas verificarem, em uma pesquisa, que muitos pais ‒ de alunos do jardim de infância à universidade ‒ gostariam de saber o que está acontecendo no período que seus filhos ficam na escola.

Em outra escola dos Estados Unidos Estados, o SMS é utilizado para que a instituição envie as notas dos alunos diretamente aos pais. Estudos apontam que essa tentativa de deixar os pais cientes do desempenho escolar faz com que o nível de esforço dos alunos nas atividades aumente. Na Irlanda, o SMS ajuda os diretores e professores das escolas a notificar alguns eventos que não foram previstos, como fechamentos de escolas e cancelamentos de aulas devido ao mau tempo.

O SMS também pode ser utilizado para informar os pais quando um aluno não comparece à aula, como uma forma de combater o absenteísmo, o que acontece no Reino Unido. Já em uma escola da Austrália, o SMS permite que os professores notifiquem os pais sobre a lição de casa, passeios e eventos esportivos. Mas você deve estar se perguntando: e no Brasil?

Por aqui, algumas escolas também já fazem uso do SMS. Um exemplo é uma escola do Espírito Santo que, no intuito de ampliar a participação da família na educação, envia SMS para avisar os pais das atividades escolares, das notas, além das faltas. Já em Vitória da Conquista, os pais podem ficar tranquilos quando seus filhos forem para a escola, pois no uniforme dos alunos de uma escola da cidade há uma etiqueta com rádio frequência de identificação, uma espécie de código de barras “inteligente” que emite sinais de rádio, proporcionando a identificação automática de quem passa pelo portão, avisando por SMS os pais quando o estudante entra e sai da escola.

Esses exemplos, percebidos por muitos como inusitados, só confirmam que o SMS é uma tecnologia flexível, utilizada em todo o mundo para os mais diversos fins. Muitas vezes, esses exemplos podem ser uma ótima alternativa para escolas que trabalham ações que visam estreitar o relacionamento entre a instituição de educação e os responsáveis pelos estudantes. Alternativa fácil, rápida e eficaz, que proporciona o que às vezes pode parecer tão difícil ‒ deixar as escolas mais próximas dos pais.  

Cíntia Anton
Marketing e Comunicação Human Mobile
cintia.anton@human.com
Tel.: (51) 33468282. Ramal 166

Mulher paralisada há dez anos por derrame defende tese de doutorado

CLÁUDIA COLLUCCI
DE SÃO PAULO



Ela não fala, não come, não se move. Mas pinta, estuda e ensina arte a crianças que nasceram com paralisia cerebral. Tudo isso usando o olhar, um leve movimento de queixo e um programa de computador desenvolvido especialmente para ela.
Nesta quarta, às 14h, a artista plástica Ana Amália Tavares Barbosa, 46, defende sua tese de doutorado em arte e educação no Museu de Arte Contemporânea da USP, iniciada quando já estava paralisada.
O estudo, intitulado "Além do Corpo", é fruto de três anos de trabalho com artes visuais desenvolvido com um grupo de seis crianças com lesões cerebrais, atendidas na Associação Nosso Sonho, onde Ana também leciona.
Todas as crianças usam cadeiras de rodas, não falam e têm dificuldade de enxergar. Assim como a professora.



Marlene Bergamo/Folhapress


A arte-educadora Ana Amália Barbosa, que há dez anos não fala, não anda e não se move. Ainda assim defenderá tese de doutorado


A arte-educadora Ana Amália Barbosa, que há dez anos não fala, não anda e não se move.
Ainda assim defenderá tese de doutorado


Em 2 de julho de 2002, exatamente no dia da defesa da sua dissertação de mestrado na ECA (Escola de Comunicações e Artes), Ana Amália sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) no tronco cerebral e ficou tetraplégica, muda e disfágica (não consegue mastigar e engolir).
"Ela começou a passar mal quando uma das pessoas da banca não apareceu porque confundiu as datas. No hospital, foi perdendo os movimentos, começando pelas pernas", conta a mãe Ana Mae Barbosa, 75, professora aposentada da Faculdade de Educação da USP.
O pai, João Alexandre Costa Barbosa (morto em 2006), crítico literário e também professor aposentado da USP, acompanhava a filha.
Ele relatou à mulher as últimas palavras de Ana Amália. Ao escutar o médico perguntando se ela era muito nervosa, disparou: "Por que vocês médicos sempre acham que a culpa é do paciente?".
Como sequela, Ana Amália ficou com síndrome do encarceramento ("locked in"), retratada no filme "O Escafandro e a Borboleta" (2007).
"No primeiro ano, ela só dizia: 'eu quero morrer'. Depois, voltou a se apossar da vida", diz a mãe.
Foram 40 dias de UTI e quatro meses de internação até Ana Amália voltar para casa. A família conta com três enfermeiras, que se revezam 24 horas, duas fonoaudiólogas e duas fisioterapeutas.
Com a cognição e a memória preservadas, Ana se comunica por meio de um cartão com letras e de um programa de computador, desenvolvido pelas redes Sarah (Brasília) e Lucy Montoro (SP).
O atual desafio é fazer com que ela mastigue e engula a comida. Ana usa um cateter ligado ao estômago.
Ana Mae consulta a filha o tempo todo. "Quantos semestres você cursou psicologia na PUC como ouvinte? Dois, três, quatro." Ao ouvir quatro, Ana pisca os olhos. "Ela é a minha memória."
A terceira Ana da casa, Ana Lia, 11, tinha apenas um ano e oito meses quando a mãe sofreu o AVC. "Aos poucos, ela aprendeu a interpretar meus olhares", escreve, com os olhos, Ana Amália.
Os desenhos também foram (e continuam sendo) uma conexão entre as duas.

DOUTORADO

No projeto de doutorado, Ana Amália trabalhou, com a ajuda de assistentes, a percepção corporal dos alunos.
Uma das atividades foi desenhar o contorno dos corpos em papel, depois recortá-los e pintá-los. Por fim, construir cenas nas quais os corpos brincam. "Eles exploram o espaço já que não podem fazê-lo na vida real, pois estão presos à cadeira de roda."
Outra preocupação foi a inclusão cultural dos alunos. Ana Amália os levou a espaços como o Instituto Tomie Ohtake e o Jardim de Esculturas (Parque da Luz).
Pergunto qual é sua principal dificuldade. "Conviver com a invisibilidade."